Projeto Político Pedagógico

Nenhum conteúdo disponível até o momento
A Ciência e Tecnologia de Alimentos trata da composição e das propriedades dos alimentos, além da otimização e melhoria dos produtos e processos existentes e desenvolvimento de novos, visando atender às necessidades de consumidores e produtores em geral resultantes das demandas da população.
O agronegócio brasileiro é uma atividade próspera, segura e rentável, e estima-se que contribua significativamente com o Produto Interno Bruto (PIB), com as exportações totais e, consequentemente, para a geração de empregos. Tal fato reforça a importância da temática de “Ciência e Tecnologia de
alimentos” para o desenvolvimento do país e melhoria da qualidade de vida da população. A Ciência e Tecnologia de Alimentos pesquisa novas matérias primas e aditivos, novos processos, aproveitamento de co- produtos industriais, valorização de matérias-primas, desenvolvimento de alimentos funcionais, etc. É um campo multidisciplinar do qual participam profissionais de formações variadas e com enfoques diversificados. A ciência e tecnologia possui
importância na qualidade da alimentação da população e o papel de achar soluções inovadoras e que possam incluir socialmente as pessoas garantindo uma alimentação mais saudável, bem como o acesso a alimentos de qualidade. A procura por uma alimentação que proporcione bem estar e saúde tem sido crescente, tendo em vista a percepção de que a alimentação está diretamente ligada à saúde.
Em consonância com a Lei Federal 11.892/2008, de criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, a missão do IFSC é promover a excelência na oferta da educação profissional e tecnológica em todos os níveis, formando cidadãos 10 críticos, criativos, competentes e humanistas, articulando ensino, pesquisa e extensão e contribuindo para o desenvolvimento sustentável. O Instituto, ao longo do seu tempo de existência, vem direcionando suas atividades sempre de forma a proporcionar a integração com o desenvolvimento local e regional e a indissociabilidade entre ensino,
pesquisa e extensão. Dessa forma, reflete claramente sua abrangência e inserção no contexto social. Ciente desta responsabilidade e na busca de caminhos que possam aprimorar os recursos oferecidos, o IFSC - Câmpus Xanxerê toma como diretriz a articulação entre suas atividades e as necessidades presentes na sociedade em que está inserida.
O IFSC - Câmpus Xanxerê oferta o curso técnico em Alimentos, integrado ao ensino médio e o mesmo apresenta grande procura na região e vem se destacando com projetos de pesquisa publicados em congressos nacionais e artigos. Tendo em vista o corpo docente de alta qualificação, surgiu a proposta de um curso lato sensu da área de alimentos. Desta forma, supriria a demanda interna e externa.
A aplicação de novas tecnologias na produção de alimentos é indispensável às indústrias que objetivam o aumento de sua produtividade, a melhoria de qualidade, a redução do tempo de lançamento de novos produtos e, conseqüentemente, a melhoria da sua competitividade. Essas mudanças exigem profissionais capacitados, com conhecimentos teóricos e práticos nas áreas de beneficiamento e de transformação de alimentos, bem como o domínio nas áreas de higiene, sanitização e gestão, administrativa e financeira, como também relações humanas. O Curso de Especialização em Ciência e Tecnologia em Alimentos com ênfase em Alimentos Funcionais é um curso interdisciplinar e tem como foco unidades curriculares técnicas relativas aos processos de
industrialização de alimentos. Também apresenta disciplinas de abrangência gerencial e humana, direcionadas ao desenvolvimento de tais capacidades, resultando em competências básicas demandadas pelo mercado. Visa formar o profissional especializado que é responsável por todo o processo de
transformação de alimentos. Com formação baseada, fundamentalmente, na atuação prática, garante a habilitação segura ao profissional para o ingresso imediato no mercado de trabalho.
Durante a década de 50 e 60, a indústria de alimentos buscou melhorar sua cadeia de produção com o desenvolvimento de novos aditivos (conservantes, estabilizantes, espessantes, corantes, entre outros) para garantir uma maior vida de 11 prateleira e uma melhor aparência dos seus produtos e consequente aumento de faturamento (VIEIRA et. al, 2006).
Nas décadas de 70 e 80, o enfoque dos estudos foi sobre a eliminação de componentes prejudiciais à saúde (cerveja sem álcool, café descafeinado), assim como a produção de alimentos com baixos teores de energia, açúcares e gorduras (produtos light e diet). A partir da metade da década de 80, os alimentos passaram a ser associados à saúde, como sinônimo de bem-estar, redução de riscos de doenças e como veículos para uma melhor qualidade de vida. É neste contexto que se enquadram os chamados “alimentos funcionais” (VIEIRA et. al, 2006).
A partir disto, percebe-se que os consumidores têm demonstrado maior interesse por produtos mais saudáveis e isso faz com que as indústrias alimentícias busquem o desenvolvimento destes produtos, os quais vão além do fornecimento de nutrientes básicos e da satisfação do paladar do consumidor para assim atender esta demanda.
Atualmente a agroindústria movimenta grande parte do setor econômico na região oeste do estado de Santa Catarina e há a necessidade de buscar alternativas para fortalecer e profissionalizar o setor agropecuário, observando a necessidade de profissionais qualificados capazes de impulsionar o desenvolvimento regional. A especialização em ciência e tecnologia de alimentos com ênfase em alimentos funcionais mostra-se como um caminho concreto para tornar o trabalhador apto a executar habilidades práticas específicas ou mesmo qualificar quem já atua na área e que desenvolveu habilidades para o exercício profissional de maneira empírica, a partir de experiência própria, e por meio da tentativa e erro.
A oferta deste curso vem ao encontro das necessidades de profissionais da área por conhecimento na elaboração de alimentos mais saudáveis e pela importância econômica das agroindústrias na nossa região. Portanto, existe a necessidade de capacitar as pessoas em relação a elaboração destes alimentos, através de tecnologia adequada. Da mesma forma é de interesse proporcionar melhores condições de acesso ao trabalho, através do aproveitamento de matérias primas produzidas na região, melhorando assim a qualidade e a comercialização dos produtos alimentícios desenvolvidos.
Nenhum conteúdo disponível até o momento Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker4-srv2.appdocker4-inst222/06/2024 12:52