Projeto Político Pedagógico

ange-newline"> </O aluno egresso do Curso Técnico Subsequente em Qualidade é um profissional apto a colaborar na elaboração de manuais, procedimentos, diagnósticos e relatórios dos processos de qualidade das empresas, assim como identifica as inconformidades em produtos e processos, suas possíveis causas e ações para o processo de manutenção. Desempenha as atividades de registro de controle da qualidade por meio de formulários específicos e de acordo com as normas e padrões. Auxilia e acompanha auditorias internas e externas da qualidade.

Ao final do curso, o egresso poderá desenvolver suas atividades relacionadas com as seguintes áreas: Controle e/ou Garantia da Qualidade no produto; Sistemas da Qualidade; Controle da Qualidade nas três etapas (Entrada, Processamento e Expedição) e Auditorias da Qualidade.

O Curso Técnico Subsequente em Qualidade deve possibilitar a formação profissional que revele as seguintes competências: I – Identificar e propor soluções e melhorias, conhecer e definir processos, sugerir modificações no processo produtivo e atuar preventivamente; II - Desenvolver comunicação compatível com o exercício profissional; III – Compreender os métodos estatísticos, sua aplicação e importância na viabilização de tomadas de decisões; IV - Ter iniciativa, criatividade, determinação, compreender os processos de mudanças e consciência da qualidade e das implicações éticas do seu exercício profissional; V - Desenvolver capacidade de auxiliar auditorias e na emissão pareceres organizacionais referentes a área da qualidade; VI - Compreender as funções administrativas e reconhecer procedimentos da área de gestão; VII – Compreender o uso das tecnologias como ferramenta no desenvolvimento das organizações.

A elaboração do currículo por competências implica em ações pedagógicas que possibilitem ao aluno de forma solidária a construção do conhecimento. Nesse processo, a construção de novos saberes se dá em espaços em que alunos e professores são sujeitos de uma relação crítica e criadora. Assim, a intervenção pedagógica se dá mediante atividades que privilegiam a relação aluno-professor e aluno-aluno. Na perspectiva de identificar a prática pedagógica dentro de princípios norteadores de uma ação educativa pautada na responsabilidade de formar cidadãos críticos e conscientes do seu papel na sociedade, partimos do entendimento segundo GRINSPUN (1999), “(...) que a fundamentação básica da educação tecnológica, resume-se no saber-fazer, saber-pensar e criar, que não se esgota na transmissão de conhecimentos, mas inicia-se na busca da construção de conhecimentos que possibilite transformar e superar o conhecido e ensinado (...)”. Sob essa ótica e na perspectiva do fazer pedagógico da educação profissional, pautada na concepção curricular da construção de competências, centrada na aprendizagem, destacam-se as linhas norteadoras deste Projeto de Curso no que diz respeito à metodologia:
A intervenção pedagógica será estruturada com base na educação de jovens e adultos, na construção do conhecimento e na pedagogia de projetos, tendo como pressupostos: o aprender a aprender, a contextualização, a pesquisa, a problematização, a aprendizagem significativa, a interdisciplinaridade, e a autonomia;
O papel do professor consistirá em mediar, facilitar, o ensino e a aprendizagem, a partir de ações planejadas, com objetivo de propiciar o exercício contínuo e contextualizado dos processos de mobilização, articulação, re-elaboração e aplicação do conhecimento;
Os recursos didáticos serão constituídos a partir das unidades curriculares e dos eixos temáticos, na perspectiva de criar situações de aprendizagem, nas quais o aluno participe ativamente na construção das suas competências e habilidades;
A avaliação será processual e diagnóstica, acompanhando o desempenho do aluno na constituição das competências e habilidades requeridas para o exercício profissional, numa constante prática de ação – reflexão – ação de todos os elementos envolvidos no processo ensinoaprendizagem.
Os conteúdos das unidades curriculares serão desenvolvidos de forma integrada, de modo que haja uma contextualização do conhecimento adquirido e a prática.

Ver Projeto Pedagógico do Curso.

>De acordo com o exposto na Resolução 041 que dispõe sobre o Regulamento Didático Pedagógico (RDP), os instrumentos de avaliação serão diversificados e deverão constar no plano de ensino do componente curricular, sempre estimulando o aluno à pesquisa, reflexão, iniciativa, criatividade, laboralidade e cidadania. As ferramentas a serem utilizadas na avaliação, constantes na RDP, deverão ser estabelecidas no plano de ensino. No que tange a recuperação dos estudos, está prevista a realização de novas atividades pedagógicas no decorrer do período letivo, preferencialmente no horário regular de aula. Com relação a frequência, o aluno deverá comparecer a no mínimo 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária de cada Unidade Curricular. Cabe ao aluno o controle da frequência. O resultado final da avaliação será registrado na forma de valores inteiros de 0 (zero) a 10 (dez). O resultado mínimo para aprovação em um componente curricular é 6 (seis). Ao aluno que comparecer a menos de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária do componente curricular será atribuído o valor 0 (zero).

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appserver4.srv4inst1 09/12/2019 04:03