Projeto Político Pedagógico

Ver projeto pedagógico do curso;

O egresso poderá atuar na execução de rotinas administrativas na área de recursos humanos, qualidade e administração geral nos mais variados ramos de atividades públicas ou privadas, registrado, conforme Classificação Brasileia de Ocupações (CBO) na família ocupacional 4110 – Agentes, assistente e auxiliares administrativos.
Ainda, poderá dar continuidade a sua formação profissional no IFSC – Câmpus Gaspar – no Curso Técnico Subsequente de Administração e no Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais – ou em outra instituição de ensino da região.

Os egressos estarão aptos a:
- executar serviços de apoio nas áreas administrativas;
- atender clientes, fornecendo e recebendo informações sobre produtos e serviços;
- tratar de documentos variados, cumprindo todos os procedimentos necessários ao seu encaminhamento;
- conhecer as principais ferramentas de informática que servirão para auxiliar a realização de suas atividades laborais;
- utilizar diferentes linguagens comunicacionais para realizar atividades na área de administração;
- demonstrar iniciativa, capacidade de organização e habilidade para trabalhar em equipe.

A metodologia se orienta pelos seguintes documentos: Regulamento Didático Pedagógico (RDP) do IFSC, do Documento da EJA no IFSC e pelas orientações presentes nas diretrizes de ensino da EJA. Na metodologia, as unidades curriculares buscarão fazer uma relação entre teoria e prática de conteúdos e saberes tanto da parte propedêutica quanto da parte técnica. Dessa forma, entende-se que o currículo será contemplado com a troca de conhecimento, com a construção de novos saberes, com o posicionamento crítico e construtivo, e de uma relação recíproca entre docentes e discentes. As estratégias de ensino serão adotadas de forma a atender os princípios norteadores do IFSC, dentre elas as aulas expositivo-dialogadas, estudos dirigidos, apresentações, seminários, elaboração de projetos didáticos, visitas técnicas, estudos de caso, oficinas e práticas em laboratórios dependendo da unidade curricular. Para buscar otimizar a carga horária do curso, algumas estratégias podem ser ofertadas de forma interdisciplinar visando a formação integral, não linear e não hierárquica entre as áreas do conhecimento. Assim, o desenvolvimento de projetos e visitas técnicas partirão de planejamento e integralização entre as unidades curriculares. Nas unidades curriculares da formação profissional, poderá ser adotada a prática de atividades a distância, totalizando, no máximo, 20% de cada unidade curricular. Com relação a essa carga horária, vale ressaltar que deverá ser complementar e associativa aos estudos do aluno. O professor deve conduzir as atividades de modo que haja momentos de reflexão, escrita e resolução de problemas assim como na modalidade presencial. O professor oportunizará momentos de registro e feedback nas atividades a distância assim como na presencial. Sugestões de metodologia para os conteúdos de Ciência, Cultura, Tecnologia e Trabalho – CCTT: • Mostras de materiais produzidos pelos alunos como trabalho de conclusão de atividades de complementação: painéis, cartazes, pinturas, palestras e apresentações. • Projetos de Arte e Cultura: música, artes visuais, esculturas, desenho, fotografia, história em quadrinhos, propaganda visual, arte digital e acesso às produções artísticas da humanidade. • Literatura: ênfase à leitura e à produção de textos de variados gêneros literários como: romance, novela, conto, crônica, drama, poema, cordel, história infanto-juvenil, fábula, por meios de metodologias diversificadas: leituras e produções individuais e coletivas, contação de histórias, divulgação do acervo da biblioteca ao coletivo escolar. O aluno leitor deve ser visto como um sujeito ativo, porque cabe a ele não só a tarefa de descobrir o significado do texto, mas inferir sentidos a partir de sua interação com o mesmo. • Leitura: permite a formação de conceitos, explicações e entendimentos sobre realidades, elementos e/ou fenômenos com os quais os sujeitos leitores se defrontam no dia a dia. Utilizar não apenas o livro didático, mas, sobretudo dos diferentes textos, que circulam socialmente: anúncios, convites, avisos, bulas, cartas, entrevistas, contratos, atlas, comédias, contos de fada, decretos, letras de música, histórias, discursos políticos, mensagens, etc. • Esporte e lazer: poderão ser desenvolvidas atividades complementares como brinquedos e brincadeiras, contribuindo para a aptidão física, bem estar mental, interação, lazer, inclusão social, exercício da cidadania, melhoria do rendimento escolar dos alunos envolvidos e a redução da evasão escolar, além de atender as demandas da população por esporte recreativo e lazer. Também, sugere-se a prática de atividades variadas de esportes. • Tecnologias da Informação, da Comunicação e uso de Mídias: poderão ser desenvolvidas atividades complementares como informática e tecnologia da informação, contribuindo para alfabetização tecnológica e formação cidadã dos alunos. Utilização de softwareseducacionais, recursos de informática e conhecimentos básicos da tecnologia da informação no desenvolvimento de projetos educativos e culturais, em comunicação com a rede mundial de computadores. Promover o uso educativo das diferentes tecnologias da informação e da comunicação, TV, rádio e impressos, deve ser utilizado de forma articulada à proposta pedagógica da escola. • Educação Ambiental: a implementação da Educação Ambiental na escola deve se dar por intermédio de um processo de envolvimento coletivo. Suas ações podem ser problematizadas a partir de diagnósticos que levem em consideração o cotidiano escolar, do seu entorno. Seu principal objetivo é sensibilizar, incentivar e acompanhar projetos e ações, que visem a transformar o espaço escolar e seu entorno em ambientes sustentáveis, refletindo na qualidade de vida de todos os envolvidos. • Direitos Humanos: nessa atividade pretende-se provocar a participação individual e coletiva dos estudantes, no sentido de que as discussões realizadas se relacionem com a prática de pesquisa. Ainda, nesse campo, abordar a construção social e histórica sobre as relações entre os gêneros e a diversidade sexual. Ao se propor intervenções pedagógicas relacionadas a estes temas são, imprescindíveis, que se problematizem as construçõesdos “padrões” hegemônicos de relações entre os gêneros e, também, das sexualidades.Utilizar vídeos, artigos acadêmicos, notícias de jornais, a fim de provocar discussão pedagógica e esclarecer aos alunos a importância do respeito às diversidades. Pode-se abordar a questão étnico-racial, propondo a leitura crítica das diferentes representações e estereótipos das relações de gêneros de negros, indígenas, ciganos e outras etnias historicamente inviabilizadas ou excluídas nos mais diversos espaços (política, cinema, TV, música, literatura, dança, esportes). • Promoção da Saúde: poderão ser desenvolvidas atividades de prevenção de doenças e as principais informações sobre a prevenção às DST e AIDS, ações e os efeitos das drogas no organismo, a legislação, a vulnerabilidade, os preconceitos e as discriminações aos usuários, a violência e as influências da mídia. • Mundo do Trabalho e Geração de Renda: uma atividade a ser desenvolvida é o empreendedorismo, através de programas voltados ao desenvolvimento do perfil empreendedor e participativo dos estudantes e da implementação de novos projetos e negócios corporativos. É importante abordar perspectivas de economia solidária e de projetos comunitários.

Ver projeto pedagógico do curso;

Na educação de jovens e adultos a avaliação da aprendizagem tem sempre o aluno como sujeito principal e se embasa através de um processo contínuo e formativo. Neste sentido, a avaliação deve estar de acordo com a apropriação do conhecimento e a transformação do sujeito na sociedade e não somente na certificação e na elevação da escolaridade desse sujeito. Assim, entendemos a avaliação da EJA como um processo contínuo do trabalho escolar e da inserção do educando em várias instâncias da sociedade. Para pôr em prática esse entendimento de avaliação na EJA, os objetivos e o planejamento devem estar de acordo com os documentos oficiais e de acordo com o perfil de público, levando em conta suas condições sociais, suas origens e suas necessidades. De acordo com o Projeto Político Pedagógico do IFSC, a avaliação é um conjunto de ações desenvolvidas que partem de diferentes instrumentos de avaliação e que oportunizem o aproveitamento de conhecimento/competências em múltiplas atividades científico-culturais. Portanto, a avaliação se dará em momentos variados do processo de ensino e aprendizagem, permitindo uma maior integralidade do educando com o mundo do trabalho, efetivamente na área de gestão e negócios. Como se trata de parceria entre CEJA e IFSC, a avaliação será dialogada para que haja coesão entre a oferta das unidades curriculares de formação geral e de formação profissional. Assim, os critérios de avaliação serão comuns e privilegiarão a avaliação pensada dentro de uma lógica formativa, com instrumentos variados de avaliação, conforme recomendação do Regulamento Didático pedagógico do IFSC. No que tange ao processo avaliativo das unidades curriculares do curso, obedeceremos aos critérios estabelecidos pelo RDP e documentos oficiais, adaptando, sempre que for necessário, à arquitetura do curso ofertado para esse perfil. Assim, de acordo com o Regulamento Didático Pedagógico do IFSC, o resultado final das avaliações será registrado em valores de 0 (zero) a 10 (dez), sem números quebrados, somando todas as atividades, tarefas e outros instrumentos que foram avaliados ao longo da unidade curricular. Para efeito de aprovação, como resultado mínimo o aluno deve obter como nota final o valor de 6.0 (seis) por unidade curricular e frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) do total de horas letivas previstas nas unidades curriculares. Caso o aluno fique retido em alguma unidade curricular da formação profissional, alternativamente, ele poderá cursar a unidade curricular como aluno especial no Curso Técnico Subsequente de Administração. O curso não prevê pendência por ser oferta bianual. Os meios e recursos para a avaliação serão oferecidos pelas instituições parceiras e pelo IFSC. Para efeito de registro das avaliações e controle da frequência em cada unidade curricular será utilizado diário de classe fornecido pelo IFSC e o sistema SIGAA. O Conselho de Classe será realizado ao final do semestre letivo com a presença do(s) docente(s) da unidade curricular profissional do semestre, do Coordenador do Curso, de representante da Coordenadoria Pedagógica do Câmpus Gaspar e representante da Coordenadoria Pedagógica do CEJA.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker2-srv2.appdocker2-inst226/09/2022 03:13