Projeto Político Pedagógico

Conforme o Catálogo Nacional de Cursos técnicos, o Técnico em Viticultura e Enologia desenvolve
e controla os processos de cultivo da uva, seleciona variedades de uvas para elaboração de vinho e seus
derivados. Realiza ensaios físicos e análises químicas, sensoriais e microbiológicas. Presta assistência
técnica na aplicação de produtos e serviços. Controla e corrige desvios nos processos manuais e
automatizados. Utiliza boas práticas de fabricação, rotulagem e identifica embalagem adequada. Promove o
tratamento adequado de resíduos e efluentes, opera equipamentos e efetua o controle de qualidade. Utiliza
técnicas mercadológicas de produtos e insumos. Planeja e executa o processo de trabalho. Controla
estoques. Realiza a aquisição e manutenção de equipamentos.

Segundo o Catalogo Nacional de Cursos Técnicos, o Técnico em Viticultura e Enologia atua em
indústrias de vinhos e espumantes, empresas do setor vitivinícola, laboratórios de controle de qualidade de
produtos vitivinícolas, instituições de ensino e/ou pesquisa. Pode atuar em consultorias, como profissional
autônomo e/ou em empreendimento próprio.

O egresso do Curso Técnico em Viticultura e Enologia, terá domínio sobre os diversos
conhecimentos técnicos e científicos inerentes a produção de uva, vinho e outros derivados, o que tornarão
o profissional apto a compreender e adaptar-se aos novos desafios tecnológicos e às diversas demandas do
mercado, apresentando as seguintes competências profissionais:
1) Básicas
• Prestar assessoria técnica e promover atividades de extensão em órgãos públicos, cooperativas,
empresas privadas do setor vitivinícola e/ou congêneres, e outros;
• Conhecer os parâmetros técnicos legais de todas as atividades relacionadas a vitivinicultura;
• Planejar, gerir, controlar e executar atividades técnico-científicas e de pesquisa na área da viticultura
e da enologia.
2) Específicas

• Analisar as vocações regionais para a vitivinicultura;
• Planejar e executar as diversas etapas de implantação, cultivo e manejo da videira;
• Analisar e racionalizar sobre as características físico-químicas, organolépticas e sanitárias da uva;
• Realizar operações de controle de qualidade dos produtos vitivinícolas aplicando a legislação
vigente;
• Executar as diferentes etapas da produção de vinhos e outros derivados da uva e do vinho, com
domínio sobre os equipamentos e materiais empregados aplicando as boas práticas de fabricação;
• Ter domínio sobre as análises físico-químicas e microbiológicas básicas para o controle de
qualidade do vinho e outros derivados da uva e do vinho;
• Realizar corretamente a análise sensorial de vinhos para caracterização do produto, controle de
qualidade e identificação de defeitos;
• Discernir sobre novas tecnologias do setor vitivinícola e sua aplicação na região em que atua,
contribuindo para melhoria da produtividade e qualidade das uvas bem como da modernização das
técnicas de elaboração de vinhos;
• Orientar na implantação de indústrias e no uso correto dos equipamentos da vinícola.
• Gerenciar e empreender o agronegócio da vitivinicultura, considerando sua viabilidade técnica,
econômica, social e ambiental;
• Realizar atividades de divulgação e comercialização de produtos vitivinícolas.

A elaboração do currículo do Curso Técnico em Viticultura e Enologia implica em ações pedagógicas
que possibilitem ao aluno a construção do seu conhecimento. Nessa construção de novos saberes, a escola
constitui-se em um espaço onde professores e alunos são sujeitos de uma relação crítica e criadora. Assim,
a intervenção pedagógica favorece a aprendizagem a partir da diversidade.
Os procedimentos didático-metodológicos propostos são:
• aulas expositivas e dialogadas, exposição de vídeos, seminários, etc., em sala de aula;
• aulas práticas de laboratório;
• viagens técnicas de estudos;
• trabalhos de pesquisa;
• montagem de experimentos ou procedimentos experimentais;
• elaboração de conclusões de experimentos e/ou assuntos trabalhados de forma teórica;
• desenvolvimento de projetos;
• interpretação de textos técnicos e científicos relacionados aos conteúdos trabalhados;
• atividades à distância pelo ambiente virtual de aprendizagem como leitura e interpretação de textos
técnicos da área de viticultura e enologia, materiais em vídeo, elaboração de relatórios de atividades,
levantamento de dados sobre a viticultura e enologia, dentre outras.
O desenvolvimento do espírito científico do educando se dará por meio do planejamento, execução
e avaliação de trabalhos de pesquisa e técnicos. Nestas atividades os discentes desenvolverão a habilidade
de, em conjunto com o docente da área, identificar problemas, propor formas de resolução por meio de
ensaios, testes, etc., bem como a avaliação e divulgação dos resultados. A interdisciplinaridade ocorrerá em
cada unidade curricular, na qual o docente exigirá do aluno conhecimentos básicos vistos em outros níveis
de ensino, bem como de temas abordados no curso Técnico em Viticultura e Enologia. Essa interrelação
das disciplinas se dará, na maioria das vezes, problematizando situações práticas, do cotidiano dos alunos,
para que com isso o discente perceba a importância de todas as unidades curriculares associadas, e não de
forma isolada.

VER PPC

A avaliação prima pelo caráter diagnóstico e formativo, consistindo em um conjunto de ações que
permitem recolher dados, visando à análise da constituição das competências por parte do aluno, previstas
no plano de curso. Suas funções primordiais são:
- obter evidências sobre o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes
necessárias à constituição de competências, visando a tomada de decisões sobre o encaminhamento dos
processos de ensino e aprendizagem e/ou a progressão do aluno para o semestre seguinte;
- analisar a consonância do trabalho pedagógico com as finalidades educativas previstas no Projeto
Pedagógico do Curso;
- estabelecer previamente, por unidade curricular, critérios que permitam visualizar os avanços e as
dificuldades dos alunos na constituição das competências. Os critérios servirão de referência para o aluno
avaliar sua trajetória e para que o professor tenha indicativos que sustentem tomadas de decisões.
O rendimento dos alunos será feito de maneira diversificada, definido por meio de provas escritas e
ou orais, trabalhos de grupo ou individual, seminários, listas de exercícios, estudo dirigido, aulas práticas e
outros, atendendo as peculiaridades dos discentes, oportunizando uma avaliação pertinente aos objetivos
do curso.Os critérios de avaliação deverão ser apresentados aos discentes. Cada professor registrará o
resultado da avaliação no diário de classe, de forma que se permita visualizar o processo ensinoaprendizagem
vivenciado pelo educando, divulgando o resultado das avaliações parciais em até 15 (quinze)
dias úteis, desde que esse período não ultrapasse os prazos previstos no Calendário Acadêmico. Ao longo
do período letivo, o professor deverá transmitir informações que permitam ao aluno visualizar as suas
limitações e dificuldades, bem como os avanços na constituição das competências. Conforme o Art. 102 do
Regulamento Didático Pedagógico do IFSC (Resolução Nº 41, de 20 de novembro de 2014), o resultado da
avaliação será registrado por valores inteiros de 0 (zero) a 10 (dez) e o resultado mínimo para aprovação
em um componente curricular é 6 (seis) e frequência mínima de 75% de horas letivas previstas no plano de
curso de cada unidade curricular, para aquele período letivo.
Haverá recuperação paralela de conteúdos e avaliações. A recuperação de estudos deverá
compreender a realização de novas atividades pedagógicas no decorrer do período letivo, que possam
promover a aprendizagem, tendo em vista o desenvolvimento das competências. Os instrumentos
avaliativos levarão em consideração os aspectos compreensivos das diferentes disciplinas, de
comunicação, do conhecimento adquirido, da produtividade, das atitudes, assiduidade e a aplicabilidade da
teoria associado aos aspectos práticos

É de responsabilidade do docente responsável pela disciplina, estabelecer os instrumentos e
mecanismo necessários ao bom andamento da unidade curricular, de maneira a atender às especificidades
da disciplina.
Aos alunos com dificuldades de rendimento serão proporcionados estudos de recuperação de
conteúdos, durante os semestres letivos. O professor deverá fazer constar em seus planos de ensino a
forma pela qual desenvolverá a recuperação de conteúdos com os alunos que não atingirem os objetivos
propostos. Fica a critério do professor, estabelecer os instrumentos que serão utilizados na realização da
recuperação paralela dos conteúdos abordados. Poderão ser na forma de exercícios, seminários, trabalhos,
autoavaliação, entre outros. A recuperação paralela dos conteúdos será realizada durante o
desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. Serão realizadas avaliações coletivas que terão o
caráter de avaliação integral do processo didático-pedagógico em desenvolvimento na unidade curricular.
Serão realizadas reuniões entre os docentes, coordenação e Núcleo Pedagógico durante o
desenvolvimento dos semestres, conforme previsto no Regulamento Didático Pedagógico do IFSC.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appserver3.srv3inst1 09/12/2019 04:13